SEJAM TODOS MUITO BEM VINDOS

Aqui é o templo sagrado, em que nos permitimos desfrutar o contemplar da Vida, do Amor, da Alegria, do Perdão, da Gratidão, da Felicidade Plena, da verdadeira Paz ... tudo de bom. Navegue à vontade, deleite-se e se entregue plenamente com todo seu Ser. Um cantinho de amor, realizado para todos nós.

QUEM SOU EU?

EU sou presença Divina da Paz. Eu sou o EU

EU sou presença Divina da Luz. Eu sou o EU

EU sou presença Divina do Amor. Eu sou o EU

EU sou presença de Deus em ação. Eu sou o EU

EU sou a porta aberta do meu coração, que, nada, nem ninguém pode fechar. Eu sou o EU.

quarta-feira, 30 de abril de 2014

O PODER DAS MEMÓRIAS


Uma cliente me procurou para trabalhar um comportamento muito destrutivo nos relacionamentos. O ciúme que ela sentia fazia com que agisse de forma controladora. Desconfiava de tudo, fazia "cenas", fuçava celular, redes sociais do namorado, perdia a cabeça em muitos momentos e discutia. O resultado é que os relacionamentos não duravam mais do que 3 meses. 

Depois das crises de insegurança, ela sempre percebia que havia agido de forma exagerada e doente. Prometia para si mesma que não faria mais aquilo. Prometia também para o namorado que iria melhorar sua forma de agir. Tinha grande vontade de mudar pois percebia o quanto provocava sofrimento. Entretanto, em outra oportunidade seu comportamento se repetia. Ela ficava extremamente frustrada, com raiva de si mesma e impotente. 

Ela relatava que, quando as situações aconteciam, o impulso de agir de forma negativa vinha com toda força. Nem dava tempo para refletir, e mesmo quando conseguia pensar sobre seu comportamento, o impulso negativo era muito mais forte do que sua vontade consciente de fazer diferente. 

Que força é essa que nos leva a comportamentos destrutivos mesmo quando temos consciência de que poderíamos fazer diferente? Racionalmente não faz nenhum sentido. Se sabemos que algo é ruim para nós, deveríamos mudar imediatamente nosso comportamento. Mas não é assim que acontece para a maioria. 

Existe uma força poderosa que influencia de forma muito impactante nossos pensamentos e ações. É a força da sombra que carregamos. Cada emoção negativa que fica impregnada no nosso campo emocional reforça a sombra. A sombra é composta de sentimentos, pensamentos, crenças negativas que acumulamos desde a infância até os dias atuais através das reações geradas por experiências que passamos durante a vida: eventos que nós vivemos, coisas que ouvimos da família, religião e da sociedade, e experiências que observamos outras pessoas passarem. 

A sombra nos leva aos mais diversos tipos de comportamentos negativos, dos mais bobos aos mais destrutivos e sabotadores: roer as unhas, adiar tarefas importantes, discutir por bobagens, perder oportunidades, responder de forma agressiva, tentar manipular os outros através da chantagem emocional, ter preguiça de se exercitar, nos faz dormir mais tarde e perder parte do nosso precioso descanso. 

Em casos mais graves, a sombra pode nos levar à violência física. Existem inúmeros casos de pessoas comuns que nunca cometeram um crime e de repente, em uma briga de trânsito, podem até matar outro ser humano. De repente, a pessoa "perdeu a cabeça" e comete o maior erro da sua vida. 

Quando algo assim ocorre, nada aconteceu simplesmente de uma hora para a outra. A negatividade que a pessoa acumulou durante sua vida formou uma grande sombra. A maior parte do tempo somos condicionados socialmente a reprimir impulsos negativos para que possamos viver em sociedade. Entretanto, a sombra pode se manifestar com toda força em determinados momentos durante a manifestação de uma emoção negativa intensa. Essa emoção intensa dispara um gatilho de uma negatividade muito maior contida no ser humano, e é quando episódios de violência extrema ou outros comportamentos destrutivos podem ocorrer. Pessoas antes vistas como pacíficas fazem barbaridades que elas mesmas podem não acreditar depois. 

A sombra é alimentada pelas frustrações, sentimentos de rejeição, abandono, mágoa, raiva, tristeza, culpa e as mais diversas emoções que o ser humano pode acumular durante a vida. Situações das mais simples as mais graves alimentam a sombra. Quando não nos curamos dessa negatividade, ela vai crescendo no nosso inconsciente e se manifestará na forma de vários tipos comportamentos negativos, gerando prejuízo e infelicidade para a nossa vida e para os que estão ao nosso redor. Quando o nosso comportamento gera sofrimento para outros, a nossa sombra está ajudando a alimentar a sombra de terceiros. 

Toda essa energia negativa acumulada age dentro de nós como se fosse uma entidade. Seu objetivo é se alimentar e crescer cada vez mais usando nosso pensamentos, emoções e comportamentos para isso. Quanto mais pesada for a sombra, mais a nossa vida será permeada por sofrimento, comportamentos e pensamentos negativos. 

Pessoas que sofrem com vícios de todos os tipos estão sendo levadas pela sua própria sombra a se comportar de maneira destrutiva. É mais forte do que a parte racional. Nos momentos de lucidez, elas podem dizer que nunca mais vão beber ou se drogar, mas depois a sombra volta a tomar conta e o impulso se torna irresistível, como no caso da cliente que agia de forma descontrolada com o namorado. 

Pessoas próximas tentam conversar, fazer a pessoa ter mais juízo, mas é inútil. A força que a sombra tem atua além do nível racional. Por isso, conselhos e conversas não adiantam. Nem a própria pessoa que se comporta de maneira negativa tem a compreensão da origem dos seus comportamentos. São taxados muitas vezes de preguiçosos, vagabundos ou fracos que não têm força de vontade para mudar. 

Como não entendem os reais motivos que as levam a agir de forma destrutiva, acabam achando também que são fracas e que não têm força de vontade o suficiente. Isto leva à frustração e sentimentos de impotência, o que acaba reforçando ainda mais a sombra. Buscam mudar através da repressão dos impulsos negativos, o que raramente se consegue manter por muito tempo, ao invés de ir em busca da cura dos sentimentos que alimentam a sombra. 

No caso da cliente citada no início do texto, trabalhamos suas emoções com a utilização da EFT dissolvendo medos, inseguranças vindas de situações de rejeição do passado. A mudança no seu comportamento foi rápida e profunda já que a sombra que estava comandando seus comportamentos foi eliminada. 

Mudar através da "força de vontade" costuma gerar mudanças apenas temporárias e superficiais. Quando reprimimos um comportamento negativo desenvolvemos outros como forma de compensação. Pessoas que param de fumar ou que param de beber começam a comer em excesso ou migram para outros vícios. 

O caminho para uma mudança profunda e natural se dá através da cura da verdadeira causa dos nossos comportamentos destrutivos: as emoções, pensamentos e sentimentos negativos que formam a sombra. 


Fonte: André Lima

terça-feira, 29 de abril de 2014

A IMPORTÂNCIA DA BOA RESPIRAÇÃO

“Assim como o fogo queima as impurezas dos minerais das rochas, assim também as impurezas internas são removidas por pranayama.”

A respiração, constante alternância entre a inspiração e a expiração, é considerada a mais importante de todas as funções humanas. Somos capazes de viver vários dias sem comer e alguns sem beber, mas apenas minutos sem respirar. Não só dependemos da respiração para viver, como a sensação de vitalidade está diretamente ligada aos nossos hábitos e padrões respiratórios. Com uma postura deficiente, o peito contraído e os ombros descaídos, a respiração é frequentemente rápida e superficial. O Yoga é talvez o único sistema de exercícios que se concentra extensivamente na respiração como parte intrínseca da sua prática. A respiração consciente e controlada, para além de ser uma prática em si, serve de acompanhamento às posturas físicas. Verificou-se que respirar ajuda o fluxo de movimento e auxilia a mente a concentrar-se no momento presente.

O termo sânscrito Pranayama refere-se às práticas respiratórias do Yoga. “Prana” significa energia ou força vital e “yama” significa alongar. Assim, o principal significado de Pranayama é, como o nome indica, conseguir uma vitalidade aumentada e melhorar a saúde e a qualidade da nossa vida, prolongando a respiração e treinando a arte de respirar mais profunda e plenamente.

No Yoga, respirar é tanto um ato físico como um processo de receber essa energia ou força vital do universo. O prana é a força vital que anima todas as formas de vida do universo, penetra em todas as células do corpo humano e que é a força por detrás da renovação e revitalização de cada uma delas. Assim, a saúde e vitalidade dependem da quantidade de prana comunicada ao corpo.

Uma das formas das quais o prana é absorvido pelo corpo é através da respiração. Respirar mais plena e eficientemente aumentará, assim, a quantidade de prana do organismo, alimentando os tecidos, o sangue e os nervos, e aumentando a sensação geral de vitalidade. A respiração controlada e profunda ajuda a acalmar o sistema nervoso e a relaxar o corpo e a mente. Isso pode ser útil para combater a insônia e o sono de baixa qualidade. Respirar oxigena o cérebro e clarifica a mente. Ao mesmo tempo oxigena os tecidos, as células sanguíneas e os nervos, mantendo-os alimentados. Ajuda a melhorar a circulação, assim como o funcionamento do sistema imunitário, e a respiração profunda pode ser usada com êxito para aliviar e tratar a asma e a bronquite.

A respiração está intimamente ligada às emoções e ao estado de espírito. Por exemplo, quando estamos assustados, sobressaltamo-nos e sustemos a respiração. Quando estamos cansados ou aborrecidos, a nossa respiração é lenta e arrastada – bocejamos. A respiração torna-se irregular e agitada quando estamos zangados ou tristes, e superficial e lenta ou acelerada quando estamos tensos, preocupados ou ansiosos. Porque a respiração e as emoções são interdependentes, é possível diminuir os efeitos da turbulência emocional pelo controle da respiração. Em qualquer altura podemos optar por respirar mais regular, calma e profundamente, depressa descobrindo que não é possível sentirmo-nos ansiosos respirando de forma calma e controlada. Do mesmo modo, não é possível sentirmo-nos calmos quando a respiração é brusca, acelerada e irregular.

A boa respiração deve ser nasal. Dos mamíferos, o homem é o único que, por causas patológicas ou deploráveis maus hábitos, às vezes respira pela boca. Respiração errada. O nariz não foi feito para compor um elegante perfil. Deus o pôs no meio da nossa face para com ele realizarmos sadiamente esta coisa importantíssima que é respirar. Os inconvenientes da respiração bucal são de dupla natureza: físicos e prânicos. Os de ordem física começam com a insuficiente alimentação de ar nos pulmões. Os que respiram pela boca são permanentemente martirizados por uma asfixia parcial, além de serem mais sujeitos às infecções por germes do ar. O nariz é um filtro contra poeiras. Graças à ação bactericida de seu muco, livra-nos de insidiosos invasores. É também um radiador natural que aquece o ar frio do inverno, antes de chegar aos pulmões.

A dificuldade de respirar pelo nariz começa quase sempre na infância, e é quando, por tal motivo, se forma o habito de respirar pela boca. A respiração, na maioria das posições de Yoga, assenta numa postura saudável. Para maximizar o exercício do diafragma, o abdômen inferior é mantido ligeiramente contraído (empurrado levemente contra a coluna) e a respiração faz-se na caixa torácica e no abdômen superior, entre o umbigo e a arcada costal.

Além dos benefícios fisiológicos, pranayama tem, segundo o yoga, uma importância fundamental no desenvolvimento do conhecimento discriminativo. O ‘insight’ sobre nossa dimensão transcendental advém da quietude interior, da parada de todo movimento da matéria em nós. Sendo o prana a própria atividade vibratória da mente, sua restrição leva a esta parada, que só é alcançada completamente em Samyama, ou seja, no processo contínuo de concentração (dhárana), meditação (dhyana) e transe (samádhi).

Em outras palavras, a prática do pranayama sensibiliza para o aspecto transcendente da vida, aponta uma série de sinais sobre si mesmo a partir dos quais se pode adquirir uma resposta genuína e individual à questão ‘quem sou eu?’

segunda-feira, 28 de abril de 2014

GRATIDÃO: UMA ATITUDE DE CURA - Louise Hay

O Dr. Emmett E. Miller ensinou, com sucesso, as pessoas a melhorar a sua saúde e bem-estar durante mais de vinte e cinco anos. As suas cassetes de relaxamento e imagética (I am, Letting go of stress Healing journey, entre outras) são o padrão reconhecido por todo o mundo e são muito utilizadas por atletas olímpicos, homens de negócios, médicos e outros actores das artes curativas. O seu novo livro intitula-se Deep heeling: the essence of mind/body medicine.
Olhem só para a minha vida! Devia eu estar a sentir gratidão, ou será que fui enganado? Estará o copo meio-vazio ou meio-cheio?
Posso queixar-me por as roseiras terem espinhos, ou posso estar grato por alguns arbustos espinhosos darem rosas. A nível puramente intelectual ou «científico», estas duas atitudes são equivalentes. Mas, na vida real, faz uma diferença enorme qual escolhemos.
Quando a imagem que temos de nós próprios em relação ao mundo nos retrata como vítimas, o sentimento de impotência que daí resulta é transmitido através de todo o sistema. A consequência física disto pode ser a falha ou colapso de um órgão ou de um sistema de órgãos.
Quer sintamos gratidão e opulência, ou perda, privação e ressentimento, é criado um estado químico interno correspondente. Este estado, por sua vez, gera comportamentos característicos – saúde ou doença, autoridade/impotência, realização/descontentamento, sucesso/fracasso.
No meu exercício médico (medicina de mente/corpo), a importância da gratidão é notoriamente clara de um ponto de vista psicofisiológico – as pessoas gratas curam-se mais depressa; elas são capazes de eliminar comportamentos nocivos das suas vidas com maior facilidade; elas são mais felizes.
Em vinte e tal anos de exercício, fiz uma descoberta interessante. Há uns que aproveitam o que aprendem comigo para fazer alterações profundas nas suas vidas; há outros, cujos sintomas e doenças são exactamente os mesmos, que têm dificuldade em curar-se ou mudar os seus comportamentos. Os pacientes que estão gratos pelas sessões que temos, que reconhecem a energia e a concentração que lhes dou, são aqueles que se dão bem. Aqueles que têm suspeitas e desconfianças, que acham que as sessões deviam ser mais longas ou menos dispendiosas, que se perguntam se estarão a ser «enganados», demoram muito mais tempo a mudar. E óbvio, pela sequência de acontecimentos, que a gratidão (ou falta dela) vem primeiro.
O modo como vemos o mundo modela as nossas respostas aos desafios que a vida nos apresenta. Um sentido de gratidão dá-nos poder para escolhermos com sensatez… como nos sentimos, o que dizemos, aquilo em que acreditamos, o que fazemos. Que absurdo é da nossa parte, os americanos, que somos mais ricos e consumimos dez vezes mais os recursos do que 95 por cento da população mundial, que, em média, vivemos mais vinte e cinco anos do que os nossos bisavós, que nos deleitamos com a nossa liberdade pessoal e potencial, concentrarmo-nos no «meio-vazio». A gratidão leva-nos a ver o que está disponível, o que pode desenvolver-se. Afinal, não há nada com que trabalhar na parte vazia do copo.
Sem a atitude de gratidão, resulta um sentimento de privação bem conhecido, por exemplo, dos 60 por cento de americanos obesos. De um modo semelhante, os fumadores, alcoólicos e toxicodependentes – cuja qualidade de vida se deteriora continuamente – são incapazes de pôr em prática as escolhas aparentemente simples que eles dizem e verdadeiramente acreditam que querem fazer. Essas pessoas estão num estado involuntário de negação – uma negação da riqueza que possuem dentro deles. A tomada de consciência da plenitude do Eu tornaria indistintas, em comparação, as suas compulsões. Sem a sensação de quem realmente somos, é difícil discernir o verdadeiro valor de qualquer coisa que tenha lugar na nossa vida, a não ser ao nível directo e transitório da gratificação imediata.
Círculo Vicioso, Círculo Virtuoso
Quando nos sentimos gratos, interagimos com outras pessoas a partir da nossa plenitude; elas sentem-se reconhecidas e são atraídas pela nossa energia. O ressentimento, a amargura e a vitimização tendem a repelir as pessoas, e nós passamos a ter menos apoio dos outros. De um modo semelhante, quando a nossa falta de gratidão leva à impotência e à doença, sentimo-nos «enganados» por a nossa saúde estar a ir por água abaixo, enquanto outros se divertem.
Gratidão Aprendida
No campo da psiconeuroimunologia, temos agora a certeza de que as emoções, as convicções e as interpretações (o nosso mapa do mundo) têm um efeito profundo no funcionamento do corpo, incluindo a possibilidade de ficarmos doentes ou resistirmos à doença. Mais dramáticos são os estudos sobre a «impotência aprendida». Quaisquer que sejam os desafios ou crises na nossa vida, se nos sentirmos impotentes em relação a eles, temos muito mais probabilidades de ficar doentes.
O estado de espírito a que chamamos gratidão não é inato, na minha opinião, mas sim uma coisa que aprendemos, A gratidão tem a ver com sentirmo-nos plenos, completos, adequados – temos tudo o que precisamos e merecemos; abordamos o mundo com uma sensação de valor. E a experiência da quantidade de realização que é possível que nos leva a uma capacidade de gratidão. Sem gratidão, a tendência é para nos sentirmos incompletos, enganados, deficientes – numa palavra, impotentes.
Se não teve a sorte de ter aprendido a atitude da gratidão em criança, pode sentir-se, de tempos a tempos, a cair no desespero, ressentido e não abençoado. Isso ainda acontece comigo, por vezes, e quando acontece, recordo-me simplesmente das minhas razões para fazer as coisas que faço, a minha missão e visão pessoal da vida, com gratidão, Pode demorar um pouco, mas com concentração interior e imagética, a minha atitude altera-se sempre. Afinal, tal como você, «Eu sou o que penso».

domingo, 27 de abril de 2014

SEJA VOCÊ O SEU PRINCIPAL PARCEIRO




Viva a sua vida com mais sentimento, com mais amor, com mais... tesão! Agora é a hora! Agora é a sua hora e a sua vez, viu? Você merece estar aqui! Você merece ser feliz e não deve se satisfazer com a sua atual visão de mundo.

Essa chama que arde dentro de você e que clama por vida jamais deve estar fraca ou apagada, viu? Cuide bem da chama da sua vida! Cuide cada vez melhor da pessoa mais importante do mundo: você! Existe algo novo e excitante para se aprender, para viver.

E, se "é preciso saber viver", também é urgente permanecer receptivo e sensível para receber e perceber o que está acontecendo à sua volta.

Sua vida tem um começo, tem um meio, mas nunca terá fim.... Você é eterno! Você foi feito com tanto amor que vai ser para todo o sempre! Portanto, faça o melhor que puder, sempre! Prossiga, viu? Busque! Deseje! Aproveite!

Seja você o seu principal parceiro! Seja você o seu mais importante amigo! Seja você o seu principal aliado! Seja você e pra você o mais importante dos motivadores. Sim, você não pode e nem deve impedir ou atrapalhar você de ser feliz!

Queira viver mais e melhorar a sua vida porque no fundo é isso o quemais pede a sua chama de viver! E ao desejar ser uma pessoa diferente a cada dia, vai descobrir que esse ser que você é hoje é bem mais competente que o de ontem! Exatamente porque está fazendo o que deve ser feito agora, não deixando nada para depois!

Melhore a sua vida! Você sabe que pode! Desacelere o seu viver! Curta mais, contemple mais, sorria mais... Ame mais! Viva mais! Seja mais competente, amoroso, compreensível, calmo... Pare de se adaptar a tudo e a todos, tá? Seja você mesmo, sempre!

A vida é uma só! Única! E está esperando por você! Invista mais em você, pensando sempre no outro, tá? Porque nenhum de nós é melhor do que todos nós juntos!

Bom Dia! Bom Divertimento!!

"Pois você vale tanto quanto o valor que tem dado a você mesmo"



sexta-feira, 25 de abril de 2014

O AMOR DESTRONA O EGO

“O amor destrona o ego. Enxuga excessos. Delata as mínguas. Transforma as mágoas. Destrona arrogâncias e idealizações. Desmancha certezas e tece oportunidades. Bagunça a autoimagem todinha, piedade zero, culpa nenhuma. O amor percorre territórios devastados da alma com a calma necessária para reflorestar um a um. Dissolve neblinas. Revela o sol. Destece máscaras. Reinaugura a humildade. Faz ventar. Faz chorar. Faz sorrir. Faz tempestade um monte de vezes pra dizer também céu azul um monte de vezes depois.”
Fonte: Ana Jácomo

quinta-feira, 24 de abril de 2014

REJEIÇÃO


A rejeição é uma das coisas que mais afeta a autoestima. Ainda mais quando acontece durante a infância, fase em que estamos mais vulneráveis emocionalmente. É nessa fase que o ser humano aprende gradativamente a se amar através do amor que recebe dos pais e adultos importantes à sua volta. 

O alimento vital para o fortalecimento da autoestima e amadurecimento gradativo da criança é o amor incondicional. Entretanto, quando a criança não recebe esse amor e/ou sofre rejeição, ela interpreta que não tem valor, que tem algo de errado dentro de si e por isso não é digna de receber amor. "Se nem meus pais me amam, só pode ser culpa minha por algum defeito que tenho". É essa a distorcida compreensão infantil.

A criança passa a desenvolver uma autorrejeição. Não amadurece emocionalmente de forma plena e carrega marcas de insegurança na sua autoestima que permanecem mesmo depois de se tornar adulta. 

Como a maioria de nós não recebe amor incondicional de forma adequada e suficiente que consiga suprir a carência durante a infância, carregamos alguma dose de autorrejeição. O gatilho da autorrejeição é puxado todas as vezes que alguém nos rejeita. É como se, em algum nível, ainda estivéssemos tendo a mesma reação infantil de achar que não temos valor quando alguém demonstra ter ficado insatisfeito conosco. Por isso é que dói tanto ser rejeitado.

Se estivermos plenamente amadurecidos emocionalmente, não ficaremos incomodados pelo fato de alguém não nos aprovar. Entenderemos que esse não é um problema nosso e ficaremos em paz. Ou seja, a nossa autoaprovação não dependeria da aprovação dos outros.  

Buscamos a aprovação das outras pessoas para que nós mesmos possamos nos aprovar. Isso nos torna dependentes emocionais, como se ainda fôssemos crianças. Ao sermos aprovados por alguém, temporariamente sentimos um bem-estar que encobre a nossa insegurança. A partir daí, buscamos mais e mais aprovação para que possamos sentir esse alívio, como se fosse um vício.

É por causa desse mecanismo que muitas pessoas se relacionam de uma forma que parece totalmente irracional com alguém que as rejeita. Para quem olha de fora é muito fácil julgar e dizer para um familiar ou amigo que ele deve se afastar de uma determinada pessoa que só lhe causa sofrimento através da rejeição. Só que esse comportamento não é guiado pela parte racional. 

Quem age dessa forma está viciado em tentar a buscar a aprovação de quem lhe rejeita, pois enquanto não ganha essa aprovação, sente que não tem valor. É uma forma infantil de se comportar que normalmente a pessoa não enxerga. Ela apenas sente um impulso de buscar a aprovação do outro, que muitas vezes só lhe dá algumas migalhas e a rejeita na maior parte do tempo. Esse é o caso de algumas mulheres que entram e permanecem em relacionamentos com homens que as traem e maltratam.

É possível também observar filhos adultos que desenvolvem esse tipo de relacionamento com os pais. Sempre são rejeitados, mas continuam fazendo tudo por eles na esperança infantil de serem aprovados em algum momento.

A rejeição tem o poder de minar a autoestima de forma tal, que as pessoas ficam escravizadas buscando aprovação incessante até mesmo de quem nunca será capaz de lhes dar. Ficam presas na ilusão de que só podem sentir seu próprio valor quando alguém lhe der valor. O impulso em buscar essa aprovação é tão forte quanto o impulso do dependente químico pela droga. 

Críticas, comparações negativas, abandono, perda de pessoas importantes, abuso psicológico, físico e sexual, bullying, indiferença, traições e decepções; tudo isso pode gerar sentimentos de rejeição. Quando essas coisas acontecem na infância, os danos à autoestima são maiores devido à imaturidade da criança. E quando a criança ficar adulta, terá bem mais dificuldade de lidar com novos episódios de rejeição. A dor sentida no momento é sempre somada às feridas que ficaram da rejeição do passado, amplificando o sentimento.

Certa vez vi em um programa de televisão que uma senhora entrou em depressão depois de ter sido traída pelo marido. Já havia se passado dez anos do fato e ela já estava casada com outra pessoa. Entretanto, a depressão ainda permanecia. 

O evento da traição certamente despertou nela a sensação de não ter valor. Entretanto, um adulto que tenha uma autoestima mais fortalecida jamais desenvolveria uma depressão por tanto tempo depois de evento como esse. Provavelmente, é alguém que carrega marcas de rejeição lá da infância, seja de forma consciente ou inconsciente. O evento da traição deve ter reforçado e trazido à tona toda essa carga emocional.

Ao atender meus clientes, fico sempre muito atento para o surgimento de eventos que geraram sentimentos de rejeição para que possamos trabalhá-los e dissolvê-los utilizando a EFT. É possível perceber uma grande melhora na autoestima depois que isso é feito, o que leva também a muitas mudanças positivas de comportamento.

Entender e descobrir o poder que tem os eventos de rejeição na nossa vida  é importante. Entretanto, o fundamental é dissolver esses sentimentos para que possamos ficar em paz. A EFT é uma ferramenta de grande ajuda para esse objetivo.


Fonte: André Lima

quarta-feira, 23 de abril de 2014

RESSENTIMENTO, A CAUSA DE MUITOS MALES - Louise Hay



O ressentimento é a raiva há muito sufocada. O principal problema do ressentimento é que ele costuma se alojar sempre em uma determinada parte do organismo. Com o passar do tempo, naquele local vai se formando um cisto, que pode se transformar em tumor, que vai comer o corpo por dentro. Portanto, não existe nada pior para a saúde do que a raiva reprimida durante muitos anos. 

Muitos de nós fomos criados em famílias em que não era permitido extravasar raiva. Em algumas delas, só o chefe da casa possuía esse direito. Dessa forma, os outros tinham de aprender a engolir a raiva. Isso é especialmente freqüente com mulheres, que em geral foram ensinadas que externar raiva era pouco feminino e sinal de falta de educação.

Muitas mulheres criam quistos ou tumores no útero devido àquilo que chamo de sindrome ele me magoou. Elas são pessoas com problemas emocionais que guardam seu ressentimento na área genital. Agem como as ostras, que, ao absorverem um grão de areia, criam em torno dela camada após camada de carbonato de cálcio para escaparem da irritação, até que se forma uma pérola. Essas mulheres absorvem a mágoa e ficam repisando seu ressentimento ou, como costumo dizer, passando sempre o velho filme, e as camadas e camadas de raiva reprimida acabam se transformando em um quisto e depois um tumor.

Como o ressentimento geralmente está muito fundo dentro de nós, é comum ele exigir muito trabalho mental para ser dissolvido. Recebi uma carta de uma senhora que estava lidando com seu terceiro tumor canceroso. Ela me contou que fazia muito trabalho mental, mas percebi por suas palavras que ainda guardava dentro de si um forte sentimento de indignação e amargura, que, no fundo, ela achava mais fácil deixar a cargo do médico extrair o tumor que trabalhar com grande constância em dissolver seus ressentimentos Ora, os médicos podem ser muito bons em extrair quistos ou tumores, mas só o próprio paciente pode impedir de voltar.

Existem pessoas que preferem morrer a mudar seus padrões. Você com certeza conhece alguém que se recusa a modificar seus hábitos alimentares, apesar de saber que corre perigo ao mantê-los. Isso pode ser bastante difícil para uma pessoa que vê um ente querido praticando exageros e percebe que é incapaz de modificá-lo. 

No entanto, tenha em mente que não importam as escolhas, elas são sempre as corretas para quem as faz dentro do seu nível de compreensão e conhecimento. Não existe culpa, mesmo se a pessoa deixar este planeta devido a seus hábitos arraigados. 

Ninguém deve se culpar por falhar ou fazer algo errado. Repito: uma pessoa está sempre fazendo o melhor possível dentro do grau de percepção e conhecimento que possui. Estamos todos em uma interminável viagem pela eternidade e temos vida após vida para aprendermos. O que não formos capazes de resolver nesta vida, com toda certeza resolveremos numa das próximas.

Fonte: Louise Hay

terça-feira, 22 de abril de 2014

ASPARTAME EM REFRIGERANTES DIET LIGADO A MORTES PREMATURAS EM MULHERES




Um estudo que durou uma década com 60 mil mulheres confirmou que beber refrigerante diet adoçados com aspartame está relacionado com um aumento de 30 por cento no risco de ataque cardíaco, e um aumento de 50 por cento no risco de morte.
Os resultados, apresentados no American College of Cardiology (1), já foram parcialmente varrido para debaixo do tapete com a falsa explicação de que as bebidas dietéticas não necessariamente causam esses riscos, mas que são meramente correlacionadas com eles. “As mulheres que tomam muitos refrigerantes diet podem estar tentando compensar hábitos pouco saudáveis​​”, afirma um artigo da CNBC (2), enquanto não cita nenhuma evidência para apoiar a alegação. Tenha em mente que sempre que uma vitamina sintética está correlacionada com o aumento da mortalidade, toda a comunidade científica descreve imediatamente essas vitaminas sintéticas como “causando” a morte. Correlação é causalidade apenas quando os cientistas financiados pela indústria dizem que é.


O aspartame é uma neurotoxina

O que os cientistas se recusam a explorar – mesmo quando os dados mostram claramente uma forte associação de risco de morte – é que o aspartame é uma neurotoxina. A razão pela qual as mulheres que bebem refrigerante diet têm um aumento do risco de morte de 50 por cento é, naturalmente, muito mais provável que seja causado pelo o que está no refrigerante diet ao invés de alguma opção de vida.
O aspartame, afinal, é feito a partir das fezes de bactérias geneticamente modificadas. Não é um açúcar natural, mas sim um composto químico criado em laboratório industrial. Usado em refrigerantes diet, ele se decompõe em uma série de compostos químicos, incluindo formaldeído e metanol. Durante a digestão, o formaldeído é oxidado em ácido fórmico, um produto químico conhecido por causar toxicidade na biologia dos mamíferos. O ácido fórmico também é secretado pelas formigas como parte de seu arsenal “de armas químicas”.
O Aspartame está ligado à uma longa lista de problemas neurológicos
Os apologistas do aspartame tentam fingir que tudo este formaldeído, metanol e ácido fórmico não tem efeito algum sobre a saúde humana. Seu argumento é idêntico aos que negam os malefícios dos transgênicos: “Os transgênicos são inofensivos!”. É ainda o mesmo argumento dos que negam mercúrio : “Mercury é inofensivo!”.
Por que então que é o aspartame tão freqüentemente ligado a visão embaçada, dores de cabeça e problemas neurológicos quando repetidamente consumido na forma de bebidas dietéticas? Na verdade, existem mais de 90 efeitos colaterais associados ao consumo de aspartame, incluindo dores de cabeça/enxaquecas, tonturas, convulsões, náuseas, entorpecimento, erupções cutâneas, depressão, irritabilidade, insônia, perda da audição, problemas de visão, perda do paladar, vertigem e perda de memória.
Empresas de refrigerante e os médicos mal informados tentam fingir que nenhum desses efeitos colaterais são reais – que as pessoas estão imaginando tudo isso: dor de cabeça, visão turva, dormência, insônia e assim por diante. Isso é como a antiética indústria dos refrigerantes é: eles envenenam seus próprios clientes com um produto químico neurotóxico, e em seguida, os chama de loucos quando sofrem efeitos secundários neurológicos.
Se você beber refrigerante diet, você está matando a si mesmo
A conclusão disso tudo? Se você beber refrigerante diet, que são essencialmente se matando. Chama-se de “suicídio lento”.
Há milhares de bebidas mais saudáveis ​​do que refrigerantes diet: chás, sucos de frutas, água mineral, leite de amêndoa crua… mesmo refrigerantes não dietéticos são melhores para você do que refrigerantes diet! (E têm sido provado conclusivamente que refrigerantes diet não tem qualquer efeito sobre a perda de peso. Portanto, bebe-los é uma forma inútil de dieta para começar).
Se por algum motivo você ainda está bebendo refrigerante diet, encontre uma bebida mais saudável e pare de se envenenar até a morte.
Do site American College of Cardiology (Colégio de Cardiologia Americano) :
Um estudo conduzido por Ankur Vyas, MD, da Universidade de Iowa, descobriu-se que as mulheres na pós-menopausa que consumiam dois ou mais refrigerantes diet por dia tinham 30 por cento mais probabilidade de sofrer um evento cardiovascular e 50 por cento mais probabilidades de morrer de doenças cardiovasculares que as mulheres que nunca, ou raramente, consumiam bebidas dietéticas. A análise das 59.614 participantes do estudo observacional da Iniciativa pela Saúde da Mulher (Women’s Health Initiative), que teve uma média de idade de 62,8 anos e sem histórico de doença cardiovascular, viu que depois de um período médio de acompanhamento de 8,7 anos, o desfecho cardiovascular primário ocorreu em 8,5 por cento das mulheres consumir dois ou mais refrigerantes diet por dia em comparação com 6,9 por cento no grupo que bebia de 5-a-7 bebidas por semana, de 6,8 por cento no grupo que bebia de uma a quatro por semana, e de 7,2 por cento no grupo que bebia de zero a três. A diferença persistiu quando os pesquisadores ajustaram outros fatores de risco cardiovascular e co-morbidades. A associação entre bebidas dietéticas e doenças cardiovasculares merece mais estudos definir a relação, disse Vyas.
O texto abaixo é da agência Reuters:
Bebidas dietéticas podem aumentar o risco de ataques cardíacos, acidente vascular cerebral e outros problemas cardíacos em mulheres na pós-menopausa, segundo um estudo…
Em comparação com mulheres que nunca ou raramente consomem bebidas dietéticas, aquelas que bebiam duas ou mais por dia eram 30 por cento mais propensas a sofrer um evento cardiovascular e tinham 50 por cento mais probabilidades de morrer de doenças relacionadas com o coração, os pesquisadores descobriram.
E para aqueles que acham que os refrigerantes Zero teriam menos problemas, saibam que eles contém Ciclamato de Sódio, uma substância que foi banida em diversos países, mas que a Anvisa insiste que é segura. Leia mais no post “Adocantes: Ciclamato de Sódio (Sucaryl, Assugrim)“.
Veja ainda:

Um Novo Tipo de Doença é Causada pelo Aspartame


[ASPARTAME] Documentário: Doce Miséria: Um Mundo Envenenado


Aspartame: O gosto doce vale a pena os danos causados?

Fontes:

segunda-feira, 21 de abril de 2014

PERMITA QUE A VIDA FLUA


Tem dia em que eu acordo e, de verdade, pouco importam as minhas dificuldades, sejam elas até já desgastadas pelo tempo, sejam elas viçosas, recentemente inauguradas, tudo me parece perfeito. Tudo é como pode ser agora, eu estou onde consigo estar, o tempo das coisas é o tempo das coisas, e isso vale também para cada pessoa que compartilha a sala de aula comigo.

Tem dia em que eu acordo e faço contato com uma gentileza tão linda que desconhece essa história de acertos e erros, sejam meus ou alheios, viver é trabalhoso e todo mundo se atrapalha, de um jeito ou de outros. Toda gente só precisa de consciência, cura e amor. Toda gente só quer ser feliz. Não há motivo para pressa e também não há estagnação, eu permito que a vida possa simplesmente fluir, sem tentar, em vão, amarrar ou alterar o jeito de dizer das suas ondas.

Este sentimento pode durar poucos quarteirões do dia, um monte deles, até mesmo só alguns centímetros de passo, enquanto dura é absoluto. E eu me sinto feliz e grata por tudo, vejo amor, mestria, chance de aprendizado, em cada ínfima coisa que me acontece. Ainda que chova, e às vezes chove muito, a memória da ternura luminosa e imutável do sol faz eu lembrar da natureza preciosa da vida. O sol não vai a lugar nenhum, ele fica exatamente onde está, mas a nuvem, a chuva, sempre passam.

Tem dia em que eu acordo lindeza e coloco bobagem pra dormir porque a nítida prioridade é a harmonia do meu coração, o contentamento natural capaz de me nutrir, proteger e me ajudar a seguir. Este sentimento pode durar poucos quarteirões do dia, um monte deles, até mesmo só alguns centímetros de passo, enquanto dura é lembrança da realidade divina perene que é sol por trás da temporária nuvem, da temporária chuva, que possam molhar os olhos da personagem. Enquanto dura é alegria e descanso e eu lembro do que, de verdade, me importa.

Fonte: Ana Jácomo

domingo, 20 de abril de 2014

PÁSCOA

Páscoa é renascer. Recomeçar sempre no Agora ...  novas oportunidades no campo da criação para realizarmos mudanças. 

Páscoa é uma ocasião, para que lembremos que o renascer é um milagre pleno e possível. Jesus Cristo morreu, mas ressuscitou. E fez isso, para nos ensinar o amor, e ressuscitando em nós o bem que está em nossos corações. 

Ressuscitemos a alegria de viver, do renascer melhor e mais forte a cada Agora - momento sagrado de plena consciência do Ser, da Liberdade que desejamos, testemunhando o Amor Divino que nos convida a participar de toda a sua Glória. 

Desejo a todos os amigos, na Unidade que Somos,  uma exuberante e abençoada Páscoa, seja qual for a fé que professamos. 

Paz, Luz, Amor nesta Páscoa ... sempre e eternamente!

Elusa 

sexta-feira, 18 de abril de 2014

É TEMPO DE PÁSCOA

É TEMPO DE PÁSCOA!!!

"Tempo de meditar, de buscar, de agradecer, de plantar a paz.

Tempo de oração!!!

Tempo de abrir os braços, de abrir as mãos e de ser mais irmão.

Tempo de recomeçar!

Tempo de concessão, de compromisso, de salvação. Tempo de perdão.

Tempo de libertar, de libertação, de passagem, de passar...

Para onde? Para a luz, para o amor, para a vida que é eterna!

Tempo de Ressurreição"



ttp://www.plinn.com.br/datas/pascoa/feliz_02/pascoa.htmlhttp://www.plinn.com.br/datas/pascoa/feliz_02/pascoa.html

quinta-feira, 17 de abril de 2014

DEIXANDO DE LADO O CETICISMO




Quando pensamos juntos em confiança e esperança, nosso pensamento coletivo pode mudar a forma da realidade. Este conhecimento se encontra em nosso ser mais profundo. Ao reivindicá-lo, tornamo-nos emissários de nossas almas…

Hoje, muitos sabem como é se sentir cético em relação ao mundo, seus governos, suas políticas ambientais, seu ritmo lento em lidar com a evidência das mudanças climáticas, a sua destruição injustificada de ligações vitais na cadeia da vida, que é a Terra. No entanto, não percebemos que somos céticos. Atribuímos a nossa falta de ação e de prática a outra coisa. Nós a atribuímos à fadiga, ao cansaço, a estarmos muito ocupados, à sensação de que não podemos, como indivíduos, fazer uma diferença.

Separamo-nos do grau de fé e confiança que nos permite seguir o imperativo espiritual que vive em nosso ser mais profundo. Tal imperativo espiritual nos chama a abandonar o ceticismo, a dúvida, a alienação e a acreditarmos que cada um de nós, individualmente, pode fazer uma diferença para o futuro da Terra. Cada um de nós, individualmente, pode ajudar a moldar este futuro. Precisamos apenas confiar que o nosso eu mais profundo sabe que a verdade é realmente a verdade.

O imperativo espiritual que nos chama a repousar na premissa de que o pensamento cria a realidade, e que se um número suficiente de pessoas fosse se unir na criação de um único pensamento de grande coerência e direção, então o mundo mudaria na direção deste pensamento. Podemos saber que isto é verdade em nosso eu mais profundo, embora não vivamos como se isto fosse verdade em nossas vidas diárias.

Podemos deixar de fazer a nossa parte para formar a atmosfera coletiva da Terra, a partir da dúvida, da fadiga, ou da sensação de uma insignificância pessoal, colocando-nos à parte, embora sem percebermos que estamos fazendo isto. Fazemos isto e podemos desfazer isto. Podemos optar por participar com o nosso pensamento da mudança do mundo, ao longo de cada dia, bem como com as nossas ações. Podemos optar por orar pela cura da Terra e a unirmos as nossas preces com outros para criarmos o grande avanço coletivo pelo qual estamos esperando. Podemos, ao invés de nos determos, tornarmo-nos emissários de nossas próprias crenças, mensageiros de nossas próprias almas, com uma mensagem que traduz para o nível e a prática espiritual. Podemos, juntos, pensarmos e esperarmos um novo mundo.

O nosso ceticismo nos diz que isto não é assim, que é um pensamento ingênuo, pois se um novo mundo pudesse ter sido pensado, isto já teria sido feito. E, no entanto, isto é onde nós não mais vemos o que o passado nos trouxe, o que veio à tona, na forma de remodelar valores e consciência. Vemos a realidade através do filtro do ceticismo e não através da verdade de Deus, e não mais acreditamos que o que fizermos no presente poderá moldar o futuro, de uma forma positiva. Somos o Todo, somos a própria estrutura da realidade que se curva para a nossa visão e a nossa esperança.

Agora, neste momento da Páscoa, dos ritos e rituais associados à nova vida da Primavera, vamos nos determinar a abandonar o ceticismo e contribuirmos com a Vida maior, da qual somos parte. Vamos recuperar as nossas crenças, de onde elas residiam em nosso âmago, unindo-as com as nossas atividades conscientes na luz do dia. Oremos e esperemos, e vamos contribuir através dos nossos pensamentos para o bem-estar do planeta que tanto amamos e pelo qual tanto sofremos, às vezes, sem sentido real de como as coisas irão mudar.

Começamos a destruir a ideia de que não fazemos uma diferença e de que nós, individualmente, não podemos efetuar a mudança. Começamos a reivindicar o nosso espaço no Todo, na rede da Vida. E, a partir desta união, nós nos comprometemos a orar pela cura da Terra, a testemunharmos as nossas ações ao longo do dia, de modo que elas beneficiem o bem-estar da Terra, em vez de prejudicá-la.

Que todas as bênçãos fluam para aqueles que não podem comprometer os seus corações desta maneira, e que, por amor, escolhem viver como servos da Terra e como emissários de suas próprias almas. Amém.